um ano sem Cornelius do Made in Brazil............texto Antonio Antonio Celso Barbieri



1 (um) ano da partida de Cornélius!
Transcrevo aqui, uma parte do excelente texto de Antonio Celso Barbieri, que traduz quem foi "Cornelius Lucifer", eterno em nossa memória!
"Cornélius Lúcifer", como era conhecido no universo do Rock Brasileiro, foi o vocalista do primeiro álbum da banda Made in Brazil, lançado em 1974, o disco da "Banana" como nós fãs, denominamos. Cornélius, com sua voz rouca e rasgada, para mim, foi sempre uma lenda, uma referência obrigatória quando falamos de vocalistas de rock no Brasil. A primeira vez que vi uma apresentação do "Made" com Cornélius nos vocais, foi em 1973 em um teatro na 13 de maio. Fiquei pasma com sua performance e com seu jeito irreverente. Imaginem, eu tinha 18 anos! Era o primeiro show de rock que eu assistia. Eu só poderia vir a gostar de rock, a vida toda mesmo!
O texto abaixo de Antonio Celso Barbieri, descreve com riqueza de detalhes, como e quem era Cornélius.
"Cornélius no palco lembrava outro andrógeno perigoso, o Madame Satã do Rio de Janeiro. Dizia a lenda que Madame Satã só andava de tamanco, carregava uma navalha presa à um elástico que ele nas brigas jogava no inimigo. Nas brigas, o tamanco virava arma e quando ele jogava a navalha, ela voava na direção do inimigo, abria, fazia o estrago e já voltava fechada na sua mão. Madame Satã acabou virando o nome de uma casa noturna controversa onde rolou muito show de rock em São Paulo.
Mas, voltando ao Cornélius, ele estava à frente do seu tempo! Ele era magro e pequeno mas, no palco virava um demônio, era provocador, crescia e parecia ser ameaçador. Nunca quis saber se ele carregava uma navalha ou não! Tem gente que jura que Cornélius, na verdade, era uma pessoal muito equilibrada, calma e amiga! Suas roupas criadas e costuradas por ele mesmo sempre chocavam e sua postura de palco totalmente andrógina faria Ney Matogrosso e sua banda Secos e Molhados, que só apareceriam mais tarde parecerem brinquedos de criança. Hoje, certamente vocês verão alguns vídeos da época e possivelmente não ficarão tão impressionados mas, fiquem certos de que, naquela época, a sua voz rouca, suas vestimentas, sua postura de palco e sua atitude eram bem avançadas para a sociedade daquele período. Acreditem que, esse verdadeiro ícone do Rock Brasileiro, com uma garganta inigualável, surpreendia até aos mais ousados daquela época. (...) Depois do lançamento do primeiro álbum do Made em 74, que ficou mais conhecido como "Made da Banana", Cornélius em 1975 afastou-se do grupo e lançou seu trabalho solo, mesclando rock, soul, discotheque e outras influências. Em 1976, com o nome Cornélius lançou o álbum Santa Fé, que contava com arranjos muito modernos usando orquestra e uma base roqueira sob o comando de Otavio Basso. No final dos anos 70, durante o apogeu da discotheque, obteve grande sucesso no Brasil com a canção Eu perdi o Seu Amor, de Paulinho Camargo, produção de Cesare Benvenutti e também arranjos de Otavio Basso. Em 1985 quando organizei o Projeto Metal, Rock & Cia, Osvaldo Vecchione juntou alguns músicos excepcionais para este evento e aproveitou para convidar Cornélius para executar várias músicas que podem ser ouvidas com exclusividade aqui nesta página. Escutem e perceberão que Cornélius estava afiadissimo como sempre! Ao longo das décadas de 1980, 1990 e 2000, Cornélius voltou a cantar com o Made in Brazil em várias ocasiões. Antes do seu falecimento Cornélius estava acertando a sua participação nos shows comemorativos de 40 anos do lançamento do primeiro álbum da banda."i)

0 Comentários:

Postar um comentário

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Internet Designer | Blogge by iPosts - Premium Blogger Themes | Facebook Themes